Globo Esporte | 03/08/2016 Com Nenê poupado e Felício titular, Brasil bate a China no último teste Com outra vitória sobre os chineses, desta vez por 83 a 69, a seleção comandada por Magnano encerra sua preparação para a Olimpíada do Rio sem perder nenhum jogo
Cristiano Felício teve chance entre os titulares (Foto: Penedo/Mogi-Helbor)

Por Marcello PiresDireto de Mogi das Cruzes, SP

Se no sábado o Brasil deixou os torcedores rindo à toa com uma arrasadora vitória por 91 a 52, nesta terça-feira o roteiro teve um tom bem mais dramático. Com Nenê poupado no banco de reservas e Cristiano Felício, ainda se ambientando com os novos companheiros, entre os titulares pela primeira vez, a seleção brasileira teve que suar para voltar a bater a China em Mogi das Cruzes. Depois de um primeiro quarto muito ruim, onde os visitantes sobraram e anotaram cinco bolas de três em sete tentadas, o time de Rubén Magnano acordou no segundo período, dominou os rivais na segunda etapa e encerrou a preparação para a Olimpíada do Rio com uma vitória por 83 a 69 (39 a 42).

Com seis vitórias em seis partidas disputadas em solo paulista, a seleção brasileira embarca para o Rio de Janeiro nesta quarta-feira cheio de moral para a estreia do próximo domingo, dia 7, às 14h30, contra a Lituânia. O vice-campeão europeu foi um dos adversários derrotados pela equipe de Rubén Magnano em Mogi das Cruzes.  

Mesmo vindo do banco, Benite foi o maior pontuador do Brasil com 13 pontos. Cristiano Felício e Leandrinho marcaram 10 cada, Hettsheimeir nove e Marquinhos, Alex, Augusto e Raulzinho, cada um com oito, também se destacaram. Apesar da derrota, Yi Jianlian foi o cestinha do jogo com 21. Zhai Xiaochuan anotou 18.    

JOGO

Ao contrário dos cinco amistosos anteriores, a seleção brasileira entrou em quadra sonolenta. Se na vitória de sábado foram os chineses quem abusaram dos erros no primeiro quarto, nesta terça-feira quem bateu cabeça nos 10 minutos iniciais foram os brasileiros. Com um aproveitamento de apenas 46% nos arremessos de quadra e uma postura bem menos agressiva, a seleção de Rubén Magnano praticamente assistiu aos visitantes jogarem. Para piorar, a equipe comandada pelo técnico Gong Luming estava com a pontaria afiada. Com cinco bolas de três em sete tentadas e um aproveitamento de 71%, a China dominou os brasileiros e fechou o primeiro quarto vencendo por 25 a 15.

Brasil x China amistoso basquete Mogi das Cruzes (Foto: Cairo Oliveira)
Raulzinho saiu do banco e teve boa participação na partida (Foto: Cairo Oliveira)

O panorama no segundo período praticamente não mudou. Enquanto os chineses continuavam errando pouco no ataque e marcando forte na defesa, os donos da casa não conseguiam achar um jeito de neutralizar os chutes de três. Foram mais três tentados, com dois acertos. Somado a tudo isso, Jianlian fazia uma partida espetacular e quase sem erros. Além de uma enterrada sensacional na cabeça de Hettsheimeir, o ex-jogador de Dallas Mavericks, Washington Wizards, Milwaukke Bucks e o extinto New Jersey Nets acertou os três arremessos de três tentados. Pelo Brasil, o destaque foi Raulzinho. Vindo do banco, o armador do Utah Jazz anotou oito pontos e comandou a reação do Brasil, que venceu o quarto por 24 a 17 e diminuiu a diferença para apenas três pontos (42 a 39) antes do intervalo.    

Com Hettsheimeir e Alex nos lugares de Felício e Marquinhos do quinteto que começou a partida, o Brasil voltou melhor do intervalo, fez 6 a 2 nos três minutos iniciais e passou a frente pela primeira vez no jogo numa cesta de Leandrinho. A virada desnorteou os chineses, que passaram a errar um ataque atrás do outro e permitiram que os donos da casa fizessem mais cinco pontos seguidos. Nome do jogo no primeiro tempo, Jianlian mostrou que realmente é o dono time chinês. Depois de desperdiçar uma bola fácil, o gigante de 2,13m olhou para o banco e sem o menor constrangimento "ordenou" que Gong Luming pedisse tempo. O treinador da China até atendeu, mas de nada adiantou. Muito superior no quarto, o Brasil venceu por 21 a 10 e entrou nos 10 minutos finais com uma vantagem de oito pontos.

Felício demorou a se soltar e marcou seus dois primeiros pontos apenas a 6'24 do fim do jogo. Mas depois que Marcelinho Huertas voltou à quadra no lugar de Rafa Luz, o pivô do Chicago Bulls se encontrou. Com dois passes perfeitos do armador dos Lakers, o segundo numa ponte aérea sensacional, o caçula da seleção chegou a seis pontos e virou a principal opção ofensiva do Brasil. Magnano manteve o camisa seis até o fim, e ele não decepcionou. Marcou mais quatro, terminou com 10 pontos, dois rebotes e um tocaço e finalmente "estreou" com a camisa da seleção.  

 

Brasil x China Basquete Masculino (Foto: Penedo/Mogi-Helbor)Brasil venceu a China no último teste antes da Olimpíada (Foto: Penedo/Mogi-Helbor)
Untitled Document

Siga-nos nas redes sociais: