Redação | 10/10/2016 Horário de verão & Academia: o que muda
Divulgação

Horário de verão: você comemora que tem mais uma hora de sol ou reclama das alterações no sono? Amado por uns e odiado por outros, a partir da meia-noite do próximo domingo, 16 de outubro, o novo horário poderá provocar insônia, sonolência, falta de concentração e dores de cabeça. “Quem tem costume de acordar e dormir tarde e ainda estuda à noite sente mais a chegada do horário de verão, pois acaba tendo mais sono durante o dia”, diz o neurologista do Instituto de Neurologia de Curitiba, Pedro André Kowacs.

Além desses, alteração no humor e queda no sistema imunológico também podem surgir nesse período de adaptação do organismo. “Dizemos que há uma alteração no ritmo circadiano, que determina o funcionamento diário do nosso corpo. Isso acontece porque, diferentemente de um relógio mecânico, o biológico não é tão simples como dar uma volta no ponteiro”, comenta o fisioterapeuta da Universidade Guarulhos (SP), Edson Bittar

Mas o organismo se adapta em poucos dias. “Em 72 horas, os sintomas melhoram, que é quando a produção dos hormônios, como cortisol e serotonina, se normaliza”, explica a nutricionista funcional, Andréa Santa Rosa, do Rio de Janeiro.

Para não sentir tanto os “efeitos colaterais”, anote as recomendações dos especialistas:

> Durma 1 hora mais cedo
Segundo a clínico-geral do Hospital e Maternidade São Luiz (SP), Andrea Sette, há quem aproveite melhor o período da manhã. “Essas pessoas têm o relógio biológico adiantado e, por isso, tendem a dormir e levantar cedo. Essas são as principais prejudicadas com as alterações no horário”, complementa. Se não tem esse perfil, deve se esforçar nos primeiros dias para deitar mais cedo, mesmo que encontre dificuldades para pegar no sono. Lembre-se de que o ambiente calmo contribui para um sono melhor.

> Avise seu organismo que o dia começou
“Como alguns sintomas aparecem pela manhã, a dica é acender a luz para despertar o organismo”, ressalta Kowacs. Vale também deixar o sol iluminar completamente o quarto. O neurologista ainda recomenda tomar um bom café da manhã, com cafeína (para quem não tem problemas cardíacos ou restrição a essa substância) e evitar o uso de óculos escuro, para “avisar” ao cérebro que precisa começar o dia, mesmo com menos 1 hora de sono.

> Consuma alimentos saudáveis e estimulantes
Fazer refeições leves, ricas em frutas, verduras e legumes, no mesmo horário, facilita a digestão e evita a fome fora de hora. “Diminuir o consumo de carne vermelha e alimentos muito gordurosos é essencial para não deixar o processo de digestão lento. Assim, a sonolência e falta de ânimo não são acentuadas”, recomenda Andréa Santa Rosa.

Uma opção também são os alimentos estimulantes, como chá verde e gengibre, para ter mais pique. “Fazer um suco com abacaxi, hortelã, folha de couve e aipo batidos no liquidificador e consumir nos primeiros dias do horário de verão ajuda a espantar o desânimo e a sonolência”, ensina a nutricionista.

> Malhe com moderação
Evite, nos primeiros dias, realizar exercícios físicos pesados. Se não consegue ficar sem malhar, prefira atividades relaxantes, como alongamento e ioga no final do dia, e a ingestão de bebidas calmantes, como chá de camomila e de melissa.

> Nada de automedicar-se
Não use medicamentos para dormir sem orientação médica. Se após os primeiros dias e seguindo as recomendações acima, sentir que ainda tem dificuldade para descansar e para se concentrar, procure um médico.

Fonte:Revista Shape

Untitled Document

Siga-nos nas redes sociais: