Redação | 29/03/2017 Atleta de MS dá exemplo de superação e se destaca entre os grandes do ciclismo nacional Natural de Dourados, Bruno Paim já esteve em Nova Andradina no 3º Giro Pata de Onça
Imagens: Reprodução/Facebook - Ney Evangelista/Mitio e Ligia Ciconhini e Fabio Piva

POR JORNAL DA NOVA / NOVA ANDRADINA

Pode parecer clichê, mas amor, empenho e dedicação podem, de fato, levar qualquer pessoa a fazer coisas incríveis. Bruno Paim, de Dourados, é um desses exemplos. Sem os braços devido a uma má formação, ele é hoje um dos principais nomes do ciclismo sul-mato-grossense. Confira algumas imagens de provas que Bruno Paim e Lidiany Nunes participaram juntos no final do texto.

 

O que mais chama a atenção em sua história no esporte não é nem o fato de conduzir sua bicicleta sem os braços, mas sim suas conquistas, que o destacam entre os grandes nomes do ciclismo no País. Para se ter uma ideia, sua última participação em competições oficiais foi em Botucatu (SP), na prova Brasil Ride 24 horas.

 

O douradense já esteve em Nova Andradina, participando do 3º Giro Pata de Onça no ano passado. Já em Botucatu (SP), prova que iniciou no sábado (25) e terminou no domingo (26), conquistou a segunda colocação, na categoria dupla mista, com Lidiany Nunes de Oliveira e Silva. Foram nada menos que 24 horas em cima de uma bicicleta disputando de igual para igual com a elite do esporte. 

 

“Comecei a participar de provas há um ano. Ando de bicicleta desde pequeno, não sei a data certa de quando comecei, mas sei que é amor. O que eu sinto prazer de fazer é o mountain bike. Não existe dificuldade, vou levando a vida um dia após o outro e vamos ver até onde isso vai dar”, comentou Paim em entrevista ao Jornal da Nova. Ele fechou com 8 voltas.

 

Bruno Paim durante a prova do desafio Brasil Ride 24 horas – Foto: Reprodução/Facebook/Ney Evangelista

 

Na mesma linha, Lidiany, sua companheira na prova Brasil Ride 24 horas, destacou a dedicação do parceiro. “Desde o primeiro dia que vi o Bruno eu já fiquei bem impressionada. Ele tem muita técnica, muita habilidade, garra e determinação. Sem dúvidas é uma inspiração”, enfatizou ela.

 

Juntos, os dois também já faturaram o desafio 6 horas em Sidrolândia, Pantanal Extremo, além de competições individuais e em grupo em diversos municípios do Estado. “Tem horas que estou no pedal cansada e lembro dele. É emocionante. Temos uma grande sintonia”, complementou a ciclista, uma das principais incentivadoras do douradense. Ela fechou o Brasil Ride com 12 voltas, a dupla totalizou 20 voltas em 23h36.

Untitled Document

Siga-nos nas redes sociais: