Fundesporte/MS | 17/05/2017 Bolsa-Atleta: comunidade esportiva comparece, mas votação é adiada

POR FUNDESPORTE

Campo Grande (MS) – A comunidade esportiva se reuniu para acompanhar a aprovação do projeto de lei 50/2017 que estabelece as regras para concessão das bolsas atleta e técnico estaduais, na manhã desta terça-feira. A expectativa porém, foi frustrada pelo adiamento para a próxima sessão, marcada para amanhã.

Bolsistas e ex-bolsistas estaduais; bolsistas federais; atletas de ponta de esportes olímpicos, não-olímpicos e paralímpico; técnicos; clubes; federações; representantes de entidades públicas e particulares estiveram no plenário da Assembleia Legislativa, a convite da Fundesporte. No fim da manhã,  o público foi avisado de que por falta de quórum a votação não seria realizada.

A expectativa porém, continua a mais positiva. O Governo do Estado, a Fundesporte e a comunidade esportiva aguardam, com ansiedade, a resposta positiva do Legislativo. “Temos certeza de que o projeto será aprovado e de que o mais rápido possível começaremos a  seleção e o repasse dos recursos aos contemplados. Temos o apoio dos deputados que sabem da importância das bolsas para o desenvolvimento esportivo do Estado”, disse o diretor-presidente da Fundesporte, professor Marcelo Miranda.

O técnico de judô Alessandro Nascimento também espera que a proposta que prevê a criação da bolsa-técnico seja aprovada. “Lutamos por isso há muitos anos. É um sonho que está para se tornar realidade. Esse auxílio é muito importante para incentivar os técnicos, diminuir despesas e reconhecer trabalhos”, disse o sensei que acumula conquistas nacionais e internacionais com os atletas do Estado. O professor ainda falou sobre a bolsa-atleta pódio complementar. “Isso é muito bom porque fazemos um trabalho de ponta e muitas vezes perdíamos atletas que iam para outros Estados por receberem mais incentivos. Agora esperamos conseguir alcançar nosso objetivo de levar um atleta até as Olimpíadas”.

Na redação atual da lei, o atleta de ponta que recebe bolsa do Governo Federal ou bolsa municipal não pode ser contemplado com a bolsa estadual. Caso de Ana Clara Rios. “Eu não posso receber a ajuda do Estado e isso atrapalha porque temos muitas despesas no judô. São muitas viagens e competições. Recebo a bolsa federal e meu pai arca com o restante das despesas. Com a pódio complementar vou poder me dedicar ainda mais e diminuir as despesas em casa”, disse.

O bombeiro Luiz Nelson concorda com a judoca. Praticante do tiro esportivo paralímpico, o atleta é destaque em competições nacionais e contemplado com a bolsa federal. A possibilidade de receber a nova bolsa-atleta o deixa com sede de mais títulos. “A bolsa federal é de pouco mais de R$ 900,00. A pódio deve ser de R$ 800,00. Vai fazer muita diferença porque o tiro esportivo é um esporte caro que demanda a compra de equipamento, munição. Com a bolsa do Estado vamos poder treinar com mais condições e ter melhores resultados”, contou.

A nadadora Gabriela Cardoso, bolsista da última edição também esteve na Assembleia Legislativa com os colegas de escola e de clube. Ela espera voltar a receber a bolsa-atleta do Governo do Estado, auxílio considerado fundamental. “Na natação a gente tem muitos campeonatos e precisa comprar equipamento. Com o dinheiro da bolsa consegui participar de competições e comprar meu traje de competição. É muito importante para o atleta essa bolsa. E é muito legal saber que os técnicos também vão começar a receber”, analisou.

Com as alterações,  a bolsa-atleta passa a ser dividida em três categorias: estudantil, nacional e pódio complementar.  A estudantil, com valor previsto de R$ 350,00,  é direcionada a alunos-atletas, com idade entre 12 e 17 anos, que se destacam em competições estudantis nacionais e internacionais. O principal objetivo é dar uma ajuda de custo mensal para manter o talento escolar treinando e participando das competições.

A bolsa-atleta nacional, estimada em R$ 800,00,  é destinada aos talentos esportivos que brilham em campeonatos nacionais e internacionais. A intenção é oferecer um auxílio financeiro mensal para que o atleta, com idade mínima de 14 anos, não abandone o esporte e possa continuar se dedicando a representar Mato Grosso do Sul.

A bolsa-atleta pódio complementar tem como público-alvo os atletas de ponta que recebem bolsa-atleta federal. A ideia é dar mais um suporte financeiro mensal, a princípio de R$ 800,00, para os que atuam em alto rendimento.

A Bolsa-Técnico, prevista no valor de R$ 500,00,  é destinada aos profissionais da Educação Física formadores e treinadores dos atletas. Na nível I são contemplados o técnicos em nível escolar, responsáveis pelos alunos-atletas habilitados a receber a bolsa-atleta estudantil. A nível II beneficia os técnicos dos atletas de ponta, aptos a receber as bolsas pelo desempenho em competições nacionais e internacionais.

Em todos os casos, independente do preenchimento dos requisitos específicos de cada bolsa – atleta ou técnico – o candidato ou contemplado deve estar em plena atividade esportiva , residir e competir por Mato Grosso do Sul.

O auxílio financeiro tem validade de um ano. Depois desse período, o beneficiado concorre novamente, para tentar manter a bolsa.

Untitled Document

Siga-nos nas redes sociais: